VULVOSCOPIA

O que é o exame de Vulvoscopia com Biópsia

Vulvoscopia é o exame da vulva, que consiste em analisar a pele e a mucosa dessa região sob ampliação, magnificação e iluminação de um colposcópio (aparelho desenvolvido para melhor avaliação do colo do útero) ou de uma lupa dermatológica.

É realizado no próprio consultório e não necessita de anestesia, pois é indolor. Um pequeno botão anestésico será necessário somente quando há indicação de biópsia.

É um exame que permite a visualização da região íntima da mulher em uma amplitude 10 a 40 vezes maior, evidenciando alterações que não podem ser vistas a olho nu.

A importância da Vulvoscopia

O valor do exame ainda muito questionado por alguns autores pelo fato de que alterações clínicas e sintomáticas, da pele da vulva, poder ser vistas a olho nu, sem a necessidade da amplificação da imagem.

Por outro lado, esses mesmos autores acreditam que as lesões subclínicas, que seriam vistas somente pelo colposcópio, frequentemente não tem significado clínico importante.

São poucos os estudos e publicações científicas sobre vulvoscopia. A baixa prevalência do câncer de vulva e lesões pré-invasivas contribuem para o pequeno interesse pelo assunto.

Segundo o manual de orientação em Ginecologia Oncológica da Febrasgo de 2010, o câncer de vulva é neoplasia rara, corresponde a menos de 1% das neoplasias malignas da mulher e é responsável por 3 a 5% das neoplasias malignas do trato genital feminino.

Apesar disso, a FIGO (The International Federation of Gynecology and Obstetrics) publicou em 2006 e 2009, que toda paciente com queixa de lesão vulvar deveria ser submetida a vulvoscopia. Recomenda também que toda paciente com exame de Papanicolau alterado, quando indicado colposcopia, deveria ser também submetida à vulvoscopia.

Anatomia da vulva

O que é a Vulva

A vulva fica entre o Monte de Vênus (região de pelos) e a região perianal (próxima ao ânus), entre as raízes das coxas até a entrada da vagina.

Muitas pessoas confundem a vulva com a vagina.

A vulva é a parte externa dos genitais femininos.

A vagina é o canal interno que se estende da vulva até o colo do útero.

FAQ SOBRE VULVOSCOPIA

Principais perguntas e respostas

Como é feito o exame de Vulvoscopia com biópsia?

Um exame de vulvoscopia sem biópsia é realizado no próprio consultório e não necessita de anestesia, pois é indolor.
Um exame de vulvoscopia com biópsia é realizado no próprio consultório e necessita da realização de um pequeno botão anestésico. Esta anestesia é necessária para tornar indolor a retirada de um pequeno pedacinho de pele. Assim, a realização desta anestesia local é o grande desconforto do exame de vulvoscopia. Após realização da anestesia da área a ser biópsiada, a paciente não mais tem qualquer sensação de dor.

As principais indicações da Vulvoscopia?

É geralmente solicitada pelos ginecologistas para avaliação e tratamento de condilomas (verrugas) e outras lesões vulvares causadas pelo HPV.

O aumento da imagem e uso de reagentes, permite o profissional diagnosticar lesões mínimas (não detectadas a olho nu) ou lesões subclínicas (observadas apenas após o uso de ácido acético 5%). 

Outra indicação importante para a vulvoscopia é o prurido vulvar crônico. Aquela coceira que existe há anos e que vem sendo tratada como candidíase sem sucesso. 

Qual o preparo para o exame de Vulvoscopia?

Como o exame de vulvoscopia consiste apenas na observação da pele da região vulvar, não há necessidade de qualquer preparo para sua realização.

A Vulvoscopia dói?

A vulvoscopia não é um exame doloroso, pois consiste na simples observação da vulva através de uma grande lente de aumento.
Um desconforto pode ser causado quando a anestesia local é aplicada para a realização da biópsia. Na verdade, é a “entrada” do anestésico na pele que é desagradável.

Quem faz o exame de Vulvoscopia?

Eu costumo brincar, que a vulva é uma região que o dermatologista raramente examina e o ginecologista analisa sempre, mas não tem conhecimento suficiente em dermatologia para fazer um diagnóstico correto. 

A vulvoscopia pode ser realizada por um ginecologista, um colposcopista ou um dermatologista com conhecimento das possíveis lesões dermatológicas as vulva.

O exame de vulvoscopia, não depende apenas de uma ampliação e iluminação adequadas.

Como qualquer outro exame, depende da formação e estudo do profissional para realizar um diagnóstico correto.

A confirmação desse diagnóstico clínico muitas vezes exige uma pequena biópsia, realizada com anestesia local. 

Qual a diferença entre Colposcopia e Vulvoscopia?

A diferença é que o exame de vulvoscopia consiste na observação da pele da vulva, enquanto o exame de colposcopia consiste na observação clínica do colo do útero.

Gestantes podem fazer Vulvoscopia?

Não existe contraindicações para a realização do exame em gestantes. Como falei, o exame se resume apenas na observação da vulva com uma grande lente de aumento (o colposcoscópio  ou uma lupa dermatológica).

Quanto tempo demora o resultado da Vulvoscopia?

Vulvoscopia é um exame rápido de observação da vulva com auxílio de um aparelho que promove melhor iluminação e aumento da região a ser estudada. Esse aparelho pode ser um colposcópio (aparelho desenvolvido para melhor avaliação do colo do útero) ou uma lupa dermatológica.

Na verdade, um bom exame de vulvoscopia depende muito mais do conhecimento médico e das doenças dermatológicas que afetam a região da vulva, do que do aparelho utilizado durante o exame.

A maioria das doenças da pele da vulva são diagnosticadas a olho nu, sem necessidade de grandes magnificações. E no caso de dúvida diagnóstica, a realização de uma biópsia se faz necessário para melhor determinação da doença dermatológica que está acometendo aquela região.

Desta forma, o resultado de um exame de vulvoscopia é dado na hora, ou seja, o parecer da observação clínica que o médico faz e o provável diagnóstico clínico baseado apenas nessa observação da pele é imediato.

O que pode demorar é a análise do material retido durante uma biópsia. Este material deve ser processado em um laboratório de análises clínicas e avaliado por um médico patologista. Este fará o diagnóstico histopatológico da doença que afeta a região vulvar da paciente.

Logo, o que pode demorar de 15 a 30 dias é resultado da biópsia realizada durante o exame de vulvoscopia.

Nem tudo que coça é cândida

Doenças dermatológicas da vulva podem causar prurido crônico e muitas vezes os ginecologistas desconhecem essas alterações dermatológicas e prescrevem tratamento para candidíase, os quais não conseguirão aliviar a coceira destas mulheres. 

A vulvoscopia dessas pacientes poderá evidenciar manchas brancas e pele espessadas que deverão, algumas vezes, ser biopsiadas para conclusão do diagnóstico.

Entre os diagnósticos possíveis podemos citar: Líquen Simples Crônico Vulvar, Líquen Escleroso Vulvar, Vitiligo Vulvar, Psoríase vulvar etc.

O HPV tem cura. Assista ao vídeo da Dra. Flávia Menezes
Prevenção, diagnóstico e tratamento precoce mais eficaz

Os exames de colposcopia, vulvoscopia e vaginoscopia quando realizados de forma responsável pelo profissional, tem possibilitado um melhor atendimento às pacientes infectadas pelo HPV. Esses exames tornaram mais eficaz a prevenção, o diagnóstico e o tratamento precoce das doenças pré-invasivas e invasivas do trato genital inferior feminino.

REFERÊNCIAS:

  1. Apgar B., Brotzman G., Spitzer M. Colposcopia: Princípios e Prática. Atlas e Texto. Segunda edição. Capítulo 17. 342-365.
  2. FEBRASGO – Manual de Orientação em Ginecologia Oncológica. 2010
  3. Mayeaux. Tratado & Atlas – Colposcopia Moderna. ASCCP. Capítulo 15. 451-493.
  4. Carvalho J. Atualização em HPV. Abordagem científica e Multidisciplinar. Segunda edição. 2012. Capítulo de ginecologia. 99-179
Dra. Flávia Menezes

Dra. Flávia Menezes

Médica especialista no tratamento do HPV. Formada pela U.F.R.J em Ginecologia, Obstetrícia e Patologias do Trato Genital Inferior (Colposcopia, Vaginoscopia e Vulvoscopia).