Tenho solicitado as minhas seguidoras nas redes sociais, que deixem suas dúvidas para eu compreender a melhor forma de ajudar as mulheres contaminadas pelo vírus do HPV.

Por fim, achei interessante escrever textos, divididos por assunto, e responder ao maior número perguntas possíveis. Esse é o primeiro texto da série, SÃO MUITAS DÚVIDAS. Vou reescrever as perguntas realizadas e responder como fosse uma entrevista.

Para quem já foi infectada, qual a importância de tomar a vacina?

De acordo com o texto publicado no CDC (Centers for Disease Control and Prevention), o Comitê Consultivo para Práticas de Imunização (ACIP), desde junho de 2019, passou a recomendar a vacinação contra HPV para todas as pessoas, homens ou mulheres, até 26 anos de idade.

Independente de ter ou não se infectado por este vírus.

A importância da vacina para essas pessoas é evitar uma nova infecção pelo HPV.

A vacina ajuda na eliminação do vírus do HPV?

A vacina existente atualmente no mundo é profilática, isto é, ela é preventiva.

Esta vacina evita novas infecção pelos tipos de HPV existentes na vacina.

Ela NÃO trata lesões por HPV.

Ela NÃO ajuda a eliminar o vírus do HPV.

Ela NÃO trata condiloma.

Ela NÃO trata lesão no colo do útero.

A vacina não protege as pessoas contra os tipos de HPV aos quais elas já foram expostas.

Depois do meu tratamento, que estou fazendo para condiloma na vulva e NIC 1 no colo do útero, eu devo tomar a vacina contra o HPV?

A vacina pode ser tomada a qualquer momento, mesmo durante o tratamento de uma lesão por esse vírus.

Lembrando que essa vacina não irá tratar ou ajudar a eliminar esse HPV que está promovendo lesão.

A eficácia da vacina após o aparecimento e tratamento de lesões é evitar novas infecções pelos tipos de HPV existentes na vacina.

Já tenho HPV. Se eu me vacinar irei evitar contaminar outras pessoas?

Não. A vacina contra HPV não tem ação contra os tipos de HPV já adquiridos.

Ela NÃO diminui os números de cópias virais existentes no organismo.

O risco de contaminar outras pessoas é maior na presença de lesões condilomatosa (na presença de verrugas).

Pacientes sem lesões aparentes, sem verrugas, mas com lesões de NIC 1, 2 ou 3 no colo do útero apresentam um menor risco de transmissão.

Esse assunto, sobre o risco de transmissão diante de uma NIC, ainda necessita ser mais estudado pela ciência.

O que dou de conselho para vocês é que tenham menos medo do vírus e mais preocupação em estar sempre fazendo seus exames, com ginecologista e urologistas, para fazer diagnóstico de possíveis lesões causadas pelo HPV.

O SUS disponibiliza apenas 2 doses da vacina aos adolescentes, essas 2 doses são suficientes para a imunização ou devo fazer uma 3a dose no particular?

Sim, 2 doses são suficientes para imunizar adolescentes, quando o esquema de vacinação é iniciado antes doa 15 anos de idade.

Não existe uma recomendação de esquema vacinal para o SUS e outra para o sistema de saúde particular.

As recomendações são as mesmas:

  • Se o início do esquema de vacinação ocorreu ANTES DOS 15 ANOS de idade, o esquema de imunização recomendado é o de 2 DOSES. Sendo a segunda dose recomendada de 6 a 12 meses após a primeira dose.
  • Se o início do esquema de vacinação ocorreu APÓS OS 15 ANOS de idade, o esquema de imunização recomendado é o de 3 DOSES. Sendo a segunda e terceira doses recomendadas 2 e 6 meses após a primeira dose.

Participe dessa série: SÃO MUITAS DÚVIDAS. Tire suas dúvidas com uma especialista em HPV. Mande suas perguntas, irei reunir tudo e escrever semanalmente para vocês.