A elaboração deste tema deve-se a uma grande quantidade de pessoas que possuem dúvida sobre o assunto.

É uma das perguntas mais frequentes com que me deparo em meu consultório, conversando com as pacientes, quando o assunto é HPV.

E não é por acaso.

Como mencionado aqui na nossa página HPV, de acordo com a Organização Mundial de Saúde – OMS, estima-se que 630 milhões de pessoas possuem infecção genital por HPV em todo o mundo.

É um número bastante expressivo, principalmente quando comparamos com a quantidade de doadores de sangue a nível mundial.

De acordo com a OMS, existem 112,5 milhões de doadores de sangue em todo o mundo.

O fato de o Brasil ter um contingente populacional relevante, são 210 milhões de habitantes de acordo com a última pesquisa do IBGE realizada em 2019, tornam os nossos números bastante expressivos quando o assunto é doação de sangue e HPV.

A quantidade de doadores de sangue no Brasil ainda possui um número abaixo das expectativas, segundo o Ministério da Saúde, estima-se que apenas 1,6% da população brasileira doe sangue.

Mas o fato de sermos um país com 210 milhões de habitantes nos trás um número de doadores de sangue no Brasil de mais de 3 milhões, o que corresponde a uma parcela de 2,98% das doações de sangue todo o mundo.

Com números tão expressivos, a conclusão que se chega é que há uma parcela significativa de doadores de sangue que possuem HPV.

Este é o motivo do tema ser tão importante.

Doenças que impedem a doação de sangue

Primeiro gostaria de abordar as doenças sexualmente transmissíveis.

As DSTs que impedem a doação de sangue são: Sífilis, vírus HIV (AIDS) e a Hepatite B e C.

É importante salientar que a Hepatite B e C, apesar de não serem doenças que estejam presente no trato genital, são transmitidas sexualmente e por este motivo fazem parte deste grupo.

Outras doenças transmissíveis pelo sangue que são impedimentos definitivos para doação são as doenças associadas aos vírus HTLV I e II e a Doença de Chagas.

Também há de se incluir neste grupo impeditivo a malária, doença que impede a doação de sangue.

Faça seus exames Regularmente

O vírus HPV não é um fator impeditivo para a doação de sangue

Embora o vírus do HPV seja sexualmente transmissível, essa transmissão não ocorre pelo sangue ou qualquer outro fluido corporal.

A transmissão do HPV ocorre por contato.

A rota de transmissão mais comum é através do contato do pênis com a vagina.

O simples contato com a pele ou mucosa infectados é suficiente para se contaminar com o vírus.

Embora o vírus do HPV seja sexualmente transmissível, essa transmissão não ocorre pelo sangue ou qualquer outro fluido corporal.

Desta forma, a infecção pelo vírus do HPV não impede a doação de sangue.

Doe sangue.

Com uma única doação de sangue, você irá ajudar quatro pessoas.

Você irá se sentir extremamente bem consigo mesmo após realizar esse gesto tão bonito e generoso.

Um simples gesto de amor e solidariedade pode gerar muitos sorrisos.

Quando se doa sangue, você não está salvando apenas uma pessoa, você está salvando o amor de outras pessoas. 

Uma única doação pode salvar até quatro vidas.

Faça sua parte, independentemente de parentesco entre o doador e quem receberá a doação.

O sangue é insubstituível e sem ele é impossível viver.

O Ministério da Saúde reforça periodicamente a importância de os brasileiros adotarem a cultura solidária da doação regular e espontânea de sangue.

O objetivo é manter os estoques de sangue sempre abastecidos e não apenas em datas específicas ou quando algum conhecido precisar.

A infecção pelo vírus do HPV não impede a doação de sangue.

Faça a sua parte.

Vá ao hemocentro mais próximo e doe sangue regularmente.

Vidas dependem de você!