A incidência do vírus HPV ainda é muito alta em todo o mundo, e no Brasil não é diferente.

Segundo a OMS, estima-se que 630 milhoes de pessoas estejam infectadas pelo vírus do HPV em todo o planeta.

Com um número altíssimo de infecções pelo vírus, é normal que muitas pessoas tenham dúvidas com relação ao assunto.

Por isso, resolvi listar as 10 dúvidas mais frequentes sobre o HPV que esclareço diariamente em meu consultório.

Como especialista no tratamento do HPV, tendo atendido mais de 7 mil de pacientes infectadas pelo vírus, venho esclarecer de forma simples os principais questionamentos sobre sobre o tema e te deixar tranquila sobre o assunto.

Confira abaixo a minha lista das 10 principais dúvidas sobre o HPV.

O que é HPV?

HPV significa papilomavírus (HPV, do inglês: “Human Papillomavirus”).

Os HPVs são vírus capazes de infectar a pele ou as mucosas.

Existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, sendo que cerca de 40 tipos podem infectar a região genital e o ânus.

Estudos no mundo comprovam que 80% das mulheres sexualmente ativas serão infectadas por um ou mais tipos de HPV em algum momento de suas vidas. Essa percentagem pode ser ainda maior em homens. Porém, a maioria das infecções é transitória, sendo combatida espontaneamente pelo sistema imunológico, regredindo entre seis meses a dois anos após a exposição, principalmente entre as mulheres mais jovens.

Você conseguiu entender que não é a única no mundo que tem HPV?

A infecção por HPV é muito mais comum do que você pensa.

Como posso ter adquirido o vírus do HPV?

A transmissão do vírus se dá por contato direto com a pele ou mucosa infectada. A principal forma é pela via sexual, que inclui contato oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital. Assim sendo, o contágio com o HPV pode ocorrer mesmo na ausência de penetração vaginal ou anal.

Vou explicar de uma forma mais clara. A transmissão se dá principalmente pelo contato.

A camisinha NÃO protege 100% contra este vírus, pois a transmissão pode ocorrer pelo simples contato com um pênis, vulva ou MÃO infectados.

Meu parceiro precisa ir a um médico? Meu parceiro me traiu?

É sempre recomendado a visita a um bom urologista. É importante a avaliação da possível presença de verrugas, placas ou lesões no pênis, púbis, saco escrotal, períneo e ânus.

A maioria das lesões tem cura espontânea e o período de incubação, desde a contaminação pelo vírus até o aparecimento da lesão, pode ser de dias, meses ou anos.

Assim, é quase impossível saber quem nos contaminou.

Uma infecção por HPV não é indicativa de traição, pois o vírus pode ter sido adquirido há muitos anos atrás.

Há quanto tempo eu tenho o vírus do HPV?

Não se sabe por quanto tempo o HPV pode permanecer latente e quais são os fatores responsáveis pelo desenvolvimento de lesões.

As manifestações da infecção podem só ocorrer meses ou até anos depois do contato.

Por esse motivo não é possível determinar se o contágio foi recente ou antigo.

Quais são os sintomas da doença?

Alguns tipos de HPVs causam as verrugas genitais, o famoso condiloma. Outros tipos de HPVs simplesmente não causam sintomas e SOMENTE serão detectados pelo exame de PREVENTIVO.

O EXAME DE PREVENTIVO DEVE SER REALIZADO PERIODICAMENTE PARA IDENTIFICAR CÉLULAS ALTERADAS PELA AÇÃO DO HPV!!!

O PREVENTIVO NÃO TEM POR OBJETIVO FAZER DIAGNÓSTICO DE CORRIMENTO VAGINAL.

O PREVENTIVO É PARA PREVENIR O CÂNCER DE COLO UTERO, QUE É CAUSADO NA GRANDE MAIORIA DAS VEZES PELO HPV, QUE NÃO SOME ESPONTANEAMENTE QUANDO NÃO É TRATADO DE FORMA ADEQUADA.

A camisinha protege 100% contra o vírus do HPV?

Não, a camisinha não é uma proteção 100% efetiva contra o vírus HPV.

Como mencionado acima, a transmissão do vírus do HPV acontece com um simples contato com um pênis, vulva, vagina ou mãos infectadas.

Posso ter HPV e meu preventivo ser NORMAL?

Sim, o exame preventivo não tem sensibilidade de 100%, podendo apresentar falhas  , por isso devemos repeti-lo periodicamente.

Um exame preventivo pode apresentar erro ou simplesmente não conter células alteradas pelo o vírus naquela amostra.

Mas fique calma, pois o câncer de colo de útero é muito lento e demora anos para aparecer.

O importante é repetir o seu preventivo sempre que seu médico solicitar.

HPV tem cura?

SIM, AS LESÕES POR HPV TEM CURA.

A maioria das pessoas sexualmente ativas apresenta infecção por HPV pelo menos uma vez na vida.

Acredita-se que quase 80% da população já foi, está ou será infectada pelo HPV.

Mas essas pessoas terão câncer? Claro que não…. a maioria destas infecções por HPV tem cura espontânea, sem qualquer remédio, creme vaginal, vitamina ou tratamento.

O câncer de colo do útero é um desfecho muito raro, mesmo na presença da infecção pelo HPV de alto risco oncogênico.

O hábito de fumar pode aumentar o risco do câncer de colo do útero?

SIM. O tabagismo é um dos principais fatores de risco para impedir a cura espontânea do vírus do HPV.

O tabagismo é um dos principais fatores de risco para permitir a infecção persistente pelo HPV e o desenvolvimento do câncer de colo do útero.

Acho que está na hora de PARAR DE FUMAR, não acha?

Qual a diferença entre HPV de alto risco e HPV de baixo risco?

Existem 2 tipos de HPV: O HPV de baixo risco para câncer, que são os vírus responsáveis pelas verrugas genitais (ou condilomas) e o HPV de alto risco oncogênico, que são aqueles que podem causar lesões no colo uterino (as lesões de baixo e alto grau são explicadas em outro tópico).

Um HPV de alto risco muitas vezes causa uma lesão de baixo grau (NIC 1), que podem TER CURA espontânea.

 

Espero que o esclarecimento das dúvidas acima tenham servido como uma forma de te tranquilizar sobre o tema.

O HPV, se identificado e tratado não será um tormento para a sua saúde.

Procure o seu ginecologista e faça o seu exame periódico, sua saúde agradece.